Sistema do Informatoz.com

A interação entre usuário e as notícias, acontece aqui!

Comente as notícias, avalie os comentários dos usuários, compartilhe com as redes sociais e saiba tudo que acontece diariamente em sua cidade.

Logar no sistema

Cadastrar

ANUNCIANTES
Hoje é Sexta - 24 de October de 2014
Noticias
Publicado em 21-06-2012 23:06:47 / Atualizado em 21-06-2012 23:06:53
Osvaldo Mesquita  

Justiça acata pedido do MPMG e condena prefeito por improbidade administrativa

O chefe do Executivo municipal de Caparaó, acusado de perseguir servidores públicos da cidade por motivos políticos, perdeu sua função pública

  • Gostei
    Não Gostei
       
  •  Texto
  • 2     Comentários

Justiça acata pedido do MPMG e condena prefeito por improbidade administrativa

O chefe do Executivo municipal de Caparaó, acusado de perseguir servidores públicos da cidade por motivos políticos, perdeu sua função pública

O Juízo da Comarca de Espera Feliz julgou procedente pedido formulado pelo Ministério Público de Minas Gerais (MPMG) em Ação Civil Pública (ACP) e condenou o prefeito Dalmo de Souza Miranda, do Município de Caparaó, na região da Zona da Mata mineira, por ato de improbidade administrativa. O chefe do Executivo municipal é acusado de perseguir servidores públicos da cidade por motivos políticos.

Com a decisão da Justiça, o prefeito perdeu a função pública, teve seus direitos políticos suspensos pelo prazo de oito anos, terá de restituir aos cofres municipais os vencimentos recebidos pelos servidores no período em que estiveram indevidamente afastados de suas funções e ainda pagar multa civil no valor equivalente ao dano causado ao erário. As sanções estão previstas no artigo 10 da Lei n.º 8.429/92, a chamada Lei de Improbidade.

Contra a sentença de primeira instância cabe recurso.

Abusos

O MPMG apurou que o prefeito de Caparaó, após assumir seu primeiro mandato, em janeiro de 2005, expôs servidores municipais a situações vexatórias e humilhantes perante a população da cidade. Em certa ocasião, exemplifica o promotor de Justiça Breno Max de Jesus Silveira, autor da ACP, o agente político determinou que os servidores públicos permanecessem durante todo o expediente em praça pública, sem o exercício de qualquer atividade produtiva, o que, inclusive, gerou gastos desnecessários aos cofres públicos.

Além disso, conforme apurado nas investigações, os servidores não eram autorizados a sair de uma área determinada no local de trabalho, nem mesmo para fazer suas necessidades fisiológicas, sob a ameaça de sofrerem cortes nos respectivos pontos. "A situação perdurou por meses e somente cessou quando os servidores prejudicados obtiveram uma liminar na Justiça para que fossem lotados em funções compatíveis com os cargos efetivos por eles ocupados", explica Breno Max.

Para o promotor de Justiça, o prefeito agiu de modo a "satisfazer sentimento pessoal, com desvio de finalidade e violando os princípios da moralidade, legalidade e impessoalidade, bem como causando indiscutível prejuízo aos cofres públicos".
Sentença - Ao proferir a decisão, o juiz de Espera Feliz lamentou os fatos ocorridos na cidade de Caparaó: "E ainda tem agente político praticando o coronelismo, cuidando da prefeitura como se fosse a cozinha de sua casa e tratando os servidores públicos como se fossem seus empregados particulares. Lamentável".

Assessoria de Comunicação do Ministério Público de Minas Gerais

Foto: Portal Caparaó

 

 

 

 

 

 

 

 

 

Comentar - Informatoz.com
g.a.o
22/06/2012 - 08:50
QUEM ME DERA SE AQUI EM MATOZINHOS ESA ONDA PEGASSE; NÃO IA CABER DE TANTA GENTE LÁ PRINCIPALMENTE O CACIQUE DELES (C.P)
Atila
22/06/2012 - 07:56
infelizmente ficamos so na expectativa de um dia o ( M P ) agir nas cidades de MATOZINHOS E CAPIM BRANCO ,nunca vi coisa igual ate parece que esses POLITICOS são bonzidos, credo,
Comentários - Informatoz
Atenção: É necessário estar logado para comentar a matéria!


Tela de Login - Informatoz